fbpx

Windows 8: seis meses após estreia, usuários avaliam sistema com ‘dupla personalidade’

Há seis meses o Windows 8 estreou mundialmente em vários mercados. Concebido como um sistema que funciona tanto em computadores convencionais (desktop, notebook, ultrabooks) como em tablets, o sucessor do Windows 7 tem sido alvo de críticas por causa de sua “dupla personalidade” – esse é justamente um dos principais chamarizes usado pela Microsoft, que promete “transformar” a plataforma de acordo com o tipo de uso.

26out2012---consumidor-manuseia-computador-com-windows-8-em-evento-de-lancamento-de-um-varejista-na-cidade-de-sao-paulo-sp-1351223432221_615x300O que mais chama a atenção nas mudanças empregadas no Windows 8 é a interface gráfica. Ele conta com uma chamada Windows 8 (antes era conhecida como Metro, mas a Microsoft não utiliza mais este nome) cheia de blocos interativos coloridos e uma outra chamada desktop. Esta última é igual a das versões anteriores do sistema operacional (conta com ícone estáticos, um papel de parede no fundo, etc), só que sem o menu Iniciar.

Microsoft não detalha o número de vendas por região do sistema operacional. A única informação disponibilizada é que nos três primeiros meses após a estreia foram vendidas 60 milhões de licenças do Windows 8, quando a empresa fez promoções em todo o mundo – no Brasil, chegou até a vender a atualização por R$ 69.

Mesmo sem saber o real alcance do sistema operacional, o fato é que a plataforma tem sido alvo de críticas (e elogios) por usuários em função da grande transformação sofrida pelo Windows. Houve até analistas de mercado que chegaram a apontar o Windows 8 como fator para redução de venda no mercado de PCs.

Um dos problemas citados por usuários entrevistados pelo UOL Tecnologia diz respeito às novas barras laterais do Windows 8. Quase todas as opções dos programas e de configurações são acessíveis pela “charm bar” (que fica no canto direito da tela) ou por uma barra no canto esquerdo que permite alternar entre os programas.

Mesmo utilizando a interface desktop (igual a dos Windows anteriores), as barras acabam atrapalhando. “Qualquer movimentação no cursor do mouse vai parar na ‘charm bar’ ou na barra à esquerda da tela. Isso é horrível, o pior é não poder desativar essas funções”, disse o economista Alex da Rós, que comprou recentemente um computador com o sistema instalado.

Ele chegou a descrever a experiência de uso do sucessor do Windows 7 como uma “volta para as aulas de informática”, de tão complicado que considera o sistema. “Demorei cerca de meia hora só para encontrar o Painel de Controle.”

A “crise de identidade” do Windows também foi percebida pelo analista de internet Marcelo Armonas, 38. Para ele, a Microsoft poderia ter feito uma versão do Windows 8 para computadores convencionais (máquinas com mouse e laptops sem tela touch) e outra para dispositivos com telas sensíveis ao toque. “Ele foi pensado para funcionar em computadores bem diferentes. Seria interessante se a Microsoft tivesse feito uma interface para cada tipo de aparelho”, opinou.

Pelo fato de a base de usuários ser formada predominantemente por computadores de mesa e laptops, no fim das contas, a maioria dos donos de PCs acaba não aproveitando o funcionamento dos comandos sensíveis ao toque.

As mudanças de personalidades também são recorrentes na abertura de programas e arquivos. “Programas mais complexos, como o Photoshop, não foram feitos para a interface nova [com blocos interativos coloridos]. Se você está nela e quer abrir o programa, ele vai para a interface desktop”, disse Armonas.

Algo parecido ocorre quando se está na interface desktop e o usuário quer abrir fotos. Por padrão, o Windows 8 abre o visualizador de imagens da interface de blocos.

Soma-se ainda às reclamações a remoção de itens clássicos do sistema operacional, como o menu iniciar. “Acho que o erro foi excluir o botão iniciar. Imagino que seria melhor dar ao usuário a opção de ter ou não o botão, criando uma forma de exibi-lo ou ocultá-lo”, falou o analista financeiro Rodrigo Moralles, 28, que usa o Windows 8 há cinco meses.

Na internet, já há programas alternativos que colocam um menu parecido com o Iniciar no Windows 8 –  um deles é o “Classic Shell”. Alguns rumores apontam que a Microsoft pode liberar uma atualização que deverá “reinstalar” o menu Iniciar e inicializar o Windows diretamente na interface desktop.

Qualidades do Windows 8

Apesar das críticas, o Windows 8 consegue ser um sistema bem leve, mesmo para computadores antigos. “Depois que instalei no meu notebook, ficou muito mais rápido tanto para inicialização quanto para a execução de programas”, disse Moralles.

Para ele, a Microsoft acertou em produzir um sistema que traz a possibilidade de funcionar em telas sensíveis, ainda que o seu computador não conte com a funcionalidade. “Não acho que perco a experiência do sistema por isso, pois consigo utilizar os aplicativos [da interface de blocos] e desfruto da agilidade do sistema.”

Outro elogio feito pelos entrevistados ao sistema operacional da Microsoft é a facilidade em compartilhar conteúdos e o agrupamento de contatos. A companhia de software trouxe ao Windows 8 a possibilidade de enviar links por e-mail ou mesmo fazer postagens em redes sociais da mesma forma que um smartphone ou tablet fazem.

No que diz respeito aos contatos, assim que o usuário integra suas informações de redes sociais no bloco Pessoas, ele já agrega no sistema os perfis das conexões no Facebook, Twitter e Linkedin.

“Todo mundo reclama, mas é difícil mudar o hábito de pessoas que utilizam o Windows. É quase uma vida inteira utilizando o sistema daquela forma, baseado em janelas e ícones”, concluiu Armonas.

 

Via Uol Tecnologia

Precisa de um plano de hospedagem para seu site?